Detalhe da capa de 'The New Abnormal'
Detalhe da capa de 'The New Abnormal' (Reprodução)
Colunistas

The Adults Are Talking ou Going to California?

Óculos de sol em oferta

Vou pegar emprestada parte da ideia de Woody Allen no filme Para Roma com Amor. Um cara mais velho que se reencontra com ele mesmo, mas muitos anos mais jovem. No caso do filme, a ideia da versão veterana era evitar que seu eu mais jovem sofresse com uma desilusão amorosa.

No meu caso, o motivo do encontro seria musical. Também cairiam bem algumas dicas amorosas para minha versão mais jovem, mas isso é outro papo. Agora, o que imagino é meu encontro comigo mesmo, mas há quase 30 anos.

E essa ideia surgiu depois de ouvir sei lá quantas vezes The Adults Are Talking, música que abre o novo álbum dos Strokes, The New Abnormal. Fiquei pensando em como eu teria reagido ao lançamento dessa música quando eu tinha lá meus 18 ou 19 anos.

Uma batida de bateria bem marcada, sem muitas variações, bem ‘dançante’, quase uns ‘pops e eletrônicos’ que eu tanto detestava. Ou seja, nesse encontro certamente minha versão mais jovem estaria cheia de críticas ao meu atual gosto musical, como se eu tivesse mudando tanto assim e abandonado meus punk-rocks no passado. O diálogo seria rápido e certeiro.

‘Nossa, que porcaria é essa que você está ouvindo?’, eu-jovem me perguntaria, já partindo para a agressão.

‘Por que as pessoas vão ficando molengas quando envelhecem?’, continuaria no ataque.

Ah jovem, quanta bobagem!

‘Por que incluir outros estilos é ficar molenga? Por que não estar aberto a novos sons e poder variar? Deixe de bobeira e pare de ficar criando e seguindo regras e classificações para dizer se gosta ou não de alguma coisa! Curta o que quiser, sem vergonha do que vão pensar’, já começando a discursar, eu agora diria para aquele jovem.

‘Molenga’, talvez fosse a resposta básica que eu me daria.

Estou começando a me irritar comigo mesmo. E, nessas horas, só resta uma alternativa: apelar! Eu te conheço bem e sei que você, jovem querendo fazer pose de radical durão, ouvindo de Dead Kennedys a Kreator, tem seus momentos de suspiro.

‘Você estava ouvindo Going to California sem parar ontem à noite!’. Rá, explique essa agora moleque!!

‘E daí? É Led’, tentaria me justificar, mas gastando o único argumento roqueiro.

‘É folk’, agora coloquei esse carinha na defensiva.

‘É Led, é diferente. Não enche!’, acho que eu não teria muita alternativa para continuar discutindo.

Sei que hoje continuo achando Going to California incrível, como achava quando era esse jovem cheio de manuais do que gostar ou não. Mas agora também incluindo The Adults are Talking, Armatopia, do Johnny Mar, List of Demands, The Kills, e tantas outras.

Queria te dizer, jovem, para ouvir tudo isso. Mas talvez eu não estivesse aqui como estou agora.

Sobre o autor

Xandão

Zagueiro, roqueiro e jornalista. A ordem depende da situação.