Cena de Dança das Almas
Cena de Dança das Almas (Reprodução)
Reportagem Especial

Gross foge de padrão e une álbum com pegada sessentista

Óculos de sol em oferta

Chumbo e Pluma, lançado em 2017, já mostrou que um álbum, para Marcelo Gross, não precisa ter uma cara única. E assim o músico trabalha também para seu próximo disco, Tempo Louco, sem data certa para lançamento, mas que sai ainda em 2020.

Gross já lançou dois singles do novo álbum: A Dança das Almas, no início de abril, e Carnaval, pouco mais de um mês depois. Cada uma mais voltada para um estilo. E o restante de Tempo Louco deve seguir na mesma pegada.

“Não seguem muito um padrão. O que une (as músicas) é aquele estilo de composição anos 60, com umas letras falando de coisas que a gente vive no meu tempo. Isso talvez seja o que une todas as canções.”

Marcelo Gross

‘Os Beatles faziam um disco bem diferente do outro’, lembra Gross, fã do grupo inglês. Também dos anos 60, o guitarrista cita outras influências. ‘Há músicas na pegada do Kinks e do Zombies, que me influenciaram bastante quando comecei a escrever na Cachorro Grande. São coisas muito ricas que voltei a usar bastante’, conta.

Do rock britânico, Gross também cita influências atuais. ‘Tem umas músicas estilo do disco do Liam Gallagher’, cita. Mas a variedade de estilos é marcante. ‘Tempo Louco é estilo Revolver, rock bem 66. Tem baladas arrasa-quarteirão, que eu escrevo desde a Cachorro Grande. Nunca Vai Ser o Fim tem piano e orquestra. Tem baladinha um pouco no clima do que foi o Pluma, dedilhado mais folk’, conta o guitarrista.

‘E tudo falando de coisas que eu vivi agora’, continua. O próximo single, As Lágrimas, também está relacionado à vida de Gross. Mas o músico também vê certa relação com a atual pandemia. Gross mostra preocupação e lamenta todas as perdas e tenta pensar no futuro.

‘Essa música fala que nem sempre as lágrimas são ruins, porque levam coisas embora. E essa pandemia é tipo um furacão que vai levar várias coisas embora. Vai nos transformar e fazer com que a gente fique diferente’, imagina.

Este novo single, As Lágrimas, deve também ser acompanhado de um clipe, como foram os dois primeiros. ‘Ainda não sei se clipe ou lyric video. Misturei as duas coisas em A Dança das Almas e talvez a gente repita a dose dessa linguagem’, anuncia.