Marcelo Gross em suas lives
Marcelo Gross em suas lives (Reprodução)
Reportagem Especial

Marcelo Gross está fechado, mas de coração aberto

Óculos de sol em oferta

Marcelo Gross fechou-se. Mas apenas para a pandemia de Covid-19. Diretamente de Canoas, no interior do Rio Grande do Sul, o músico continua bem ativo, trabalhando no lançamento de seu novo álbum, lançando singles e mantendo contato com fãs em lives diárias no Instagram.

Durante a quarentena, Gross já lançou duas músicas: A Dança das Almas, no início de abril, e Carnaval, pouco mais de um mês depois. As duas estarão em seu próximo álbum, Tempo Louco, que o guitarrista pretende lançar ainda em 2020.

“Não tive coragem de voltar para São Paulo. Estou na dúvida se levanto meu acampamento e venho para cá, ou se fico em São Paulo. Estou na dúvida se continuo pagando aluguel lá. Tão cedo não vão voltar os shows.”

Marcelo Gross

Da casa de sua mãe, Gross segue o planejamento que já havia montado antes de ter de se fechar em quarentena. ‘Já tinha planejado lançar esses singles. Resolvi continuar o cronograma. Tenho canções prontas e estou fazendo estes lançamentos. Com isso me mantenho em movimento’, conta ao Bem Rock.

VOLTA A SÃO PAULO E REENCONTRO COM A BANDA
Apesar de ainda estar em dúvida se volta a morar na capital paulista, Gross sabe que estará lá em breve. ‘Vou voltar para São Paulo para dar essa corrida e fazer a música que falta, terminar mixagens. Faltam alguns detalhes, gravar um overdamping em uma, vocal em outra’, explica, sobre Tempo Louco.

Este retorno a São Paulo deve marcar também um novo encontro com Eduardo Barreto (baixo e voz) e Alexandre Papel (bateria e voz), músicos que completam seu power trio. ‘É a banda que me acompanha há dois anos, desde que eu saí da Cachorro Grande’, conta Gross.

Apesar de já estar perto de seu terceiro álbum, Marcelo Gross irá gravar pela primeira vez com a atual formação. ‘E o primeiro lançamento desde que eu saí da Cachorro. O disco reflete bem o entrosamento da banda’, explica.

Esse entrosamento, inclusive, supriu a falta de ensaios nos últimos meses. ‘A gente não ensaiou porque estamos vindo de uma bateria de shows. Ano passado tocamos pra caramba, tivemos uma agenda bem grande. Então a banda está bem ensaiada com o repertório novo’.

O reencontro pode render, inclusive, algumas lives. ‘Provavelmente a gente faça alguma coisa juntos, talvez uma live em um estúdio mantendo as condições seguras e as orientações da OMS. Para isso precisamos estar na mesma cidade, mas estou criando coragem para voltar para São Paulo’, resume.

BOM PAPO E CORAÇÃO ABERTO
O nome do novo álbum se encaixa perfeitamente no atual momento do mundo. Mas a composição, na realidade, não tem relação com pandemia ou quarentena, mas sim com um momento da vida de Marcelo Gross. ‘Ele vem de uma reviravolta que tive em minha vida’, explica o guitarrista.

‘Perdi minha namorada, saí da banda (Cachorro Grande), então tive um tempo louco e foi nesse período que escrevi as músicas’. Mas apesar de não ter sido pensada para o momento atual, Gross vê uma música que poderia ser encarada com a atual fase.

‘Tem uma faixa que também se chama Tempo Louco e que foi uma das primeiras que escrevi para esse disco. Tem a ver com o período que estamos passando. As outras se encaixam em várias situações’, termina.