Arte do lançamento de Just Mad
Detalhe da arte do lançamento de Just Mad (Divulgação)
Colunistas

Pêndulo de opiniões agora inocenta os acústicos

linhaecho1_abovepost

Meu humor para acústicos já variou bastante. A minha rede social interna de pensamentos já curtiu bastante, passou a criticar agressivamente e depois, com o tema caindo no esquecimento, foi encontrando algum equilíbrio.

Fui naquela onda do MTV Unplugged, que aqui no Brasil virou a série Acústico MTV. Puxando pela memória, acho que os dois que mais ouvi foram o do Titãs e o do Nirvana, ambos lançados na década de 90. Adorava ouvir a Rita Lee cantando, sei lá o porquê, mas principalmente o tom que ela dava em ‘…tudo que a antena captar, meu coração captura’.

Mas depois bateu uma enjoada gigantesca, alimentada com aquele sentimento-clichê, não menos verdadeiro, de que tudo não passava de um monte de versão bonitinha, sem criar nada, completamente produzidos e nada naturais apenas para vender mais.

Lembrei dos acústicos novamente nos últimos dias, com os lançamentos da banda The Mönic. Esse quarteto lançou o ótimo Deus Picio em 2019. Curto demais o som da banda e estou aguardando com ansiedade pelo segundo álbum. Assim como as integrantes da banda também devem estar.

A questão é que, obviamente, pandemia e quarentena mudaram os planos da The Mönic. E elas resolveram incluir um EP no meio do caminho para o segundo álbum. Este EP se chamará Refúgio e contará com músicas do Deus Picio, mas todas acústicas.

No que eu acho ser meu equilíbrio de opiniões sobre acústicos, vale muito a pena ouvir esse trabalho. Até agora foram lançadas três músicas: Andy and I foi a primeira, seguida por Aquela Mina (a única que não faz parte de Deus Picio) e, na última semana, Just Mad.

Ao contrário dos super produzidos álbuns da série Acústico MTV, as integrantes estão mandando muito bem, como podem, mesmo com isolamento social. E, apesar de uma pegada bem diferente, vão se desenvolvendo também: Just Mad, por ser a última, parece estar ainda mais ajustada do que as outras. Muito bom!

Esses novos lançamentos só confirmam que The Mönic é uma das principais provas de que o rock brasileiro está em ótima forma. E só fazem aumentar a vontade de voltar à realidade pré-quarentena, vendo a banda no palco rasgando com seu rock’n’roll de primeira.

Sobre o autor

Xandão

Zagueiro, roqueiro e jornalista. A ordem depende da situação.