Komodo Queens em clipe gravado virtualmente (Reprodução)
Komodo Queens em clipe gravado virtualmente (Reprodução)
Reportagem Especial

Entrosamento deixa Komodo pronto para show de estreia

icon icon

Foi apenas uma live para marcar o lançamento do EP de estreia. Depois, pandemia e quarentena mantendo os integrantes apenas em contatos virtuais. Mas e se estivessem liberados no próximo fim de semana para gravar um novo EP ou fazer uma apresentação? A banda Komodo Queens estaria pronta.

“Ensaiamos direto, todos os fins de semana, horas. Tudo muito redondo. Vamos tocar agora? A gente consegue tocar.”

Digão, baixista do Komodo Queens

O lançamento do EP homônimo aconteceu em 30 de julho. No dia seguinte a banda fez uma live para apresentar suas músicas. E foi tudo. ‘A gente tinha até planejado uma festa de lançamento, estava vendo lugar para fazer, chamar uma galera para ver o show’, conta Cello Zero, vocalista e guitarrista da banda.

Em função da quarentena imposta pelo covid-19, o grupo, que tem ainda Claudinho (guitarra), Digão (baixo) e JC (bateria) não pôde mais se reunir. Mas, mesmo sem um show com público no currículo, o Komodo Queens carrega o entrosamento de uma outra banda (I Know You Are Dead) da qual os quatro integrantes faziam parte.

Tanto que o grupo tem confiança de que, quando for possível ou necessário, estarão prontos para continuar o trabalho. ‘A gente não precisa ir para o estúdio ensaiar se a gente já sabe todas as músicas. Já sabe o que vai fazer. Se for para gravar um EP, a gente vai para executar e executa, simples, objetivo e não demora’, afirma Digão.

O quarteto não tem contato pessoal desde a live no fim de julho. Mas agora começa a conversar sobre uma possível nova reunião. ‘A gente ainda está conversando sobre isso, ainda não decidimos voltar’, revela Claudinho que, como Digão, mantém outro trabalho, mas apenas em home-office. Cello, dono do estúdio M6, onde foi gravado o EP, e JC, que também trabalha no estúdio, já estão mais à vontade para voltar.

Mas, enquanto decidem quando voltam a se reunir, os integrantes do grupo mantêm bastante contato virtual e vão trabalhando em lançamentos de vídeos durante a quarentena e atualizações em redes sociais para conseguir ganhar mais visibilidade.

‘A rede social é face da banda. Eu sou um pouco preocupado com isso porque eu sou designer. Eu não vou colocar qualquer coisa, você tem uma responsabilidade grande ali. A gente não pode deixar de gerar material porque senão a gente acaba entrando no anonimato’, afirma Digão.

E além de trabalharem com as músicas do EP, o Komodo Queens também já pensa em seus próximos passos. Se neste primeiro EP Cello é apontado como a ‘grande mente’ da banda, para o futuro os outros integrantes devem ter mais participação. ‘Quem chegar com a ideia beleza, a gente senta e trampa em cima. Não tem muito tem que centralizar em um, centralizar em outro’, diz o vocalista.

‘Eu acredito que a gente tem que encontrar um caminho que todo mundo consiga também trabalhar. Ele (Cello) pode continuar também com seu processo de criação, a gente pode tentar um novo processo de criação’, afirma o baixista.

Para Claudinho, com Cello assumindo os vocais, o grupo também ganha mais liberdade para criar. ‘A gente tem uma liberdade de improvisar um pouco mais no ensaio. Antes ficava uma coisa um pouco mais amarrada’, encerra.