Cena da série Como Fazer um Disco de Sucesso (Reprodução)
Cena da série Como Fazer um Disco de Sucesso (Reprodução)
Reportagem Especial

Cat Vids inverte a ordem, muda a língua e estreia com ótimo álbum

Óculos de sol em oferta

Observação do autor: no vídeo, errei o sobrenome do Pedro, falando Spedoni. E também chamei o álbum duas vezes de Radicalismo. Perdão ao Pedro e à banda.

‘Era só uma gravação’. Virou um EP, novas músicas, shows, uma banda e, por fim, Radicalíssimo, primeiro álbum de Cat Vids, lançado neste setembro de 2020. Como se fosse pouco, ainda rolou uma websérie no Youtube para ajudar a encarar o atraso provocado pela pandemia de covid-19.

Cat Vids começou com Pedro Spadoni, autor das cinco músicas que fizeram parte do EP Radical, de 2017. Mas Paulo Senoni, guitarra, e Aécio Souza, bateria, que participaram das gravações, foram incorporados à banda. Tiago França, baixo, entrou depois, para os shows, e também virou um integrante da Cat Vids.

“Só aconteceu porque o EP era muito curto. Para poder fazer show desde o começo precisava de música nova.”

Pedro Spadoni

Radicalíssimo nasceu dos shows que Cat Vids, como uma banda, fez para promover o primeiro EP. ‘A gente tocou esse disco inteiro, praticamente, ao vivo por muito tempo antes de gravar. Ele tem muito isso do ao vivo. Ele tem bastante detalhezinho’, explica Pedro.

Apesar a diferença de tempo entre os lançamentos, EP e álbum têm uma unidade. No entanto, com duas importantes diferenças. ‘Ele se chama Radicalíssimo porque é uma continuação do outro’, diz o vocalista. Para depois explicar o que mudou.

‘Uma é essa mudança para português. Não é tão simples. É quase um outro jeito de cantar. É como se fosse um outro instrumento. Outro ponto bem importante, diferente do EP, a banda já estava tocando junto há bastante tempo. Então teve mais da banda nos arranjos’.

PROCESSO INVERSO
Como boa parte das músicas do novo álbum já faziam parte do repertório dos shows, a Cat Vids pôde testar a recepção das pessoas. ‘Isso acabou sim influenciando um pouco na percepção de quais músicas as pessoas gostavam mais ou menos’, conta Pedro.

No entanto, o compositor vê diferenças entre uma mesma música após a gravação. ‘Depois que você produz, a música não é a mesma coisa. Eu sempre acho que são produtos diferentes. Ao vivo é a interpretação da música gravada. Na hora que ficou pronto mesmo que o feeling foi outro’, revela.

Pedro também lembra que, com o lançamento do álbum, mesmo quem já ouviu as músicas em alguma apresentação, agora poderá conhecer melhor as composições. ‘Ninguém nunca consegue ouvir a música direitinho no show com todos os detalhes que ela tem’.

SÉRIE NO LUGAR DE CLIPES
Entre junho e julho deste ano, a Cat Vids lançou também uma websérie no Youtube chamada Como Gravar um Disco de Sucesso. Foram cinco episódios, de aproximadamente cinco minutos cada um, com direção de Beatriz Paulussen, que assina os roteiros com o próprio Pedro Spadoni.

A série, porém, surgiu de uma outra ideia. ‘No começo era para ser uma gravação do backstage’, conta o músico. Segundo Pedro, a mudança aconteceu numa frase da diretora. ‘A Bia falou – estou achando que é meio The Office. Eu falei é isso. Vamos fazer isso, foda-se gravar o negócio de verdade e vamos só roteirizar mesmo’, continua.

Para Pedro, a série faz parte de um conceito maior da banda. ‘Virou uma coisa independente. Achei mais legal fazer isso do que fazer clipe. Meio que substituiu. Mas ela é independente, ela é meio que mais uma expressão do projeto do que uma coisa que deriva da outra’, diz.

Em Como Gravar um Disco de Sucesso, os músicos da Cat Vids interpretam eles próprios, mas quase como caricaturas. Mesmo assim, e com alguns ensaios, Pedro percebeu como é difícil interpretar. ‘A gente ficou bem chocado, por mais que o personagem seja a gente, tem que assumir uma postura, de gesto, não travar’, conta.