Diogo Clock, no clipe Anos 80 (Reprodução)
Diogo Clock, no clipe Anos 80 (Reprodução)
Reportagem Especial

Texugos nascem com pandemia, distância e EP de estreia

Óculos de sol em oferta

A pandemia de covid-19 impactou os planos de muitas bandas. Álbuns lançados durante a quarentena, sem shows, ou adiados porque os músicos ainda não puderam fazer um encontro para tocar. Mas um grupo de punk rock bubblegum foi muito além. A banda Os Texugos nasceu na quarentena e já lançou até seu primeiro EP.

“A gente estava com essa ideia pré-pandemia. Daí veio a pandemia e a gente deu uma broxada”

Diogo Clock

Quarentena em Hill Valley saiu no fim do último mês de julho. O álbum foi todo gravado à distância, com os integrantes da banda separados. O quarteto é de Ponta Grossa, aproximadamente 100 km de Curitiba. Mas dois dos músicos já não moram na cidade.

Os Texugos têm Diogo Clock (guitarra e vocal), Conrado Hirt (baixo), Cezar Iensen (bateria) e Marcelo Vieira (guitarra). Clock, que atualmente mora em Toledo, no Oeste do Paraná, e Hirt, residente de Brusque, em Santa Catarina, já tocaram juntos no passado e partiu deles o início do novo projeto, mesmo à distância.

O bom resultado de Quarentena em Hill Valley já anima a nova banda. ‘A ideia era reunir amigos das antigas para fazer um som. Mas a gente está tão feliz com o trabalho que foi feito que começou a se animar a divulgar mais, se empenhar um pouco mais para a banda’, revela Diogo Clock.

‘O pessoal tem pouco tempo para trabalhar com isso, então a gente vai sentindo, a nossa ideia é fazer um trabalho bem feito. Não fazer nas coxas. E vamos sentindo, vendo o que vai acontecendo’, continua Clock, curtindo o fato de estarem novamente fazendo rock’n’roll, apesar do atual momento.

‘A gente ficou muito tempo sem tocar, mas a vontade sempre está ali, nunca morre. Quem já teve banda sempre tem essa vontade. A ideia é essa, vamos sentindo, vamos levando, tentando fazer um trabalho bacana’, reflete o o músico.

SEM PARAR
Ainda em função da pandemia de covid-19, Os Texugos não têm planos para um encontro presencial tão cedo. Mas isso não signifique que a banda esteja parada. O segundo EP já está sendo trabalhado. ‘Vamos lançando uma música por mês, ou duas, até dezembro ou janeiro. A hora que fechar sete a gente lança o EP’, conta Diogo Clock.

Diogo diz que o grupo também está praticamente pronto para os shows, assim que for possível. Segundo o músico, a banda já tinha planejado desde antes de lançar o EP de estreia. ‘A gente grava agora, se der certo, acabando essa pandemia a gente já começa ensaiar e fazer show’, revela o plano inicial do grupo. Segundo o vocalista, a reunião de Os Texugos deve acontecer por volta de duas semanas antes do primeiro show, assim que possível.

Além do próximo EP, o grupo continua também trabalhando na divulgação do primeiro EP, também com vídeos. ‘Estamos fazendo videoclipes também. A gente lançou o videoclipe da Anos 80 e agora estamos trabalhando no videoclipe de Verso Etílico’, revela.